Análise da Campanha da COCA-COLA


Claro que vou encontrar problemas, pois esse é meu papel. Não existe nenhuma propaganda perfeita e sempre poderia ser melhor. Não significa que não funcionou. Funcionou, e muito bem. Apesar do uso de muitos clichês, o filme teve 30 milhões de visualizações desde 9 de novembro até hoje, 7 de dezembro. 15 mil sinais positivos no youtube e 1,1 mil negativos.

Meu papel aqui é ajudar o leitor a aprender e não ficar metendo o pau somente por prazer, como muita gente faz, para mostrar que tem razão.


Trata-se da história de uma menina que deixa uma carta para que o pai entregue aos correios endereçada, claro, ao Papai Noel. O que existe no conteúdo da carta? Essa é a grande recompensa do filme. A cena obrigatória. O clímax. Aquele momento que, se tirarmos, o filme perde todo o seu sentido. O momento em que o filme inteiro faz sentido.


O filme segue a estrutura clássica de atos, o que facilita a compreensão da mensagem e o envolvimento com uma trama amarrada. Apesar de ter alguns fios desencapados, que na linguagem do cinema são chamados de Deus Ex Machina. Ou seja, uma solução de roteiro que ´caiu do céu´. Foi, por exemplo, caso da chegada do caminhão da Coca-Cola justo quando o pai está na porta da casa do Papai Noel e precisa voltar pra casa. Claro que rola uma caroninha, hehe!



No ATO 1, após a ambientação, o incidente incitante, ou seja, o evento que tira do equilíbrio a vida do protagonista, é quando, o pai, depois de perder o barco dos Correios, decide ir até o Pólo Norte para entregar pessoalmente a carta. Uma fantasia, claro, como a Coca sempre faz. Mas a partir dai, muitos eventos óbvios acontecem. Aventuras que ele passa e que não traz nenhuma originalidade mas que são super bem produzidos. Até porque, o Diretor foi Taika Waititi, ganhador do Oscar em 2020, com Jojo Rabbit.


O ATO 2 segue então as aventuras do pai até chegar na casa do Papai Noel. E quando chega, aquilo que sempre esperamos de uma história, ´a quebra de expectativas´. Uma placa dizendo que está ´fechado para o Natal´!


E assim, começa o ATO 3, com o pai frustrado vendo o caminhão da Coca-Cola chegar e assim ele volta pra casa, de carona. Humm, será? Mas tudo bem, passa vai. Natal, ano difícil, vamos acreditar em ´Papai Noel´!!


O clímax chega quando o pai vê a filha e recebe do motorista do caminhão a carta de volta. Carta que ele tinha deixado no chão da porta do Papai Noel.

Ele resolve abrir, e a maior surpresa que fez o filme valer a pena está na mensagem da filha que pede para o Papai Noel trazer o pai dela de volta pra casa. Todos os dias? Provavelmente sim. Naquele dia? Também. Esse é o poder do subtexto. Fica implícito. Até porque, depois do abraço do pai e filha, vem a revelação de que o motorista era o próprio Papai Noel.


Como slogan, para fechar, ´NESTE NATAL, O MELHOR PRESENTE É ESTARMOS JUNTOS´. Assim, fechando com uma mensagem universal, que todos sentiram na pele esse ano. Uma mensagem que reflete o sentimento mais presente nas pessoas depois de um ano onde o afastamento significou um ato de amor, e estar junto muitas vezes uma arma mortal. Tanta ironia, tanto subtexto. Isso é uma boa história. Eu não compartilharia. Não me surpreendeu muito pois meio que esperava muitas cenas, que foram previsíveis. Mas confesso que fui pego de surpresa na mensagem da carta.


Veja e deixe sua opinião...




By Joni Galvão

The Plot Founder & CEO



163 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo